Cinema

Mel Gibson critíca “violência sem consciência” em filmes da Marvel

Diretor comparou teor de violência em seus filmes ao das produções do estúdio. Segundo ele, seus filmes não tem violência gratuita, e sim necessária

08/11/2016 - Atualizado em: 28/11/2016, 21:15 Publicado por: Jéssica Kamila
Mel Gibson critíca violência em filmes da Marvel /Foto: Laura Cavanaugh / Getty Images / AdoroCinema

Mel Gibson critíca violência em filmes da Marvel /Foto: Laura Cavanaugh / Getty Images / AdoroCinema

Diretor de filmes como Coração Valente, A Paixão de Cristo e Apocalypto, Mel Gibson é conhecido por apresentar cenas intensamente violentas em suas produções. Mas, segundo ele, não é uma violência gratuita, e sim necessária.

Em entrevista ao The Washington Post (via ComicBook), o cineasta lamentou o que ele vê como “violência sem consciência” em muitos filmes modernos.

“Falando sobre a questão da violência, olhe para os filmes da Marvel. Eles são mais violentos do que qualquer coisa que eu já fiz, mas [nos meus filmes] você se importa com os personagens, o que faz com que seja mais importante. Isso é tudo o que eu digo”, disse ele.

Será mesmo que o teor de violência da Marvel, cujos filmes geralmente têm uma classificação indicativa baixa, é maior do que dos longas dirigidos por Mel Gibson? Vingadores, Guerra Civil, Guardiões da Galáxia (sendo este o filme com mais mortes da história do cinema) e outros podem até mostrar lutas e violência, mas poucos deles exibem sangue como as produções do cineasta.

Aliás, o próximo projeto de Gibson é Hacksaw Ridge, história real sobre o primeiro Opositor Consciente da história norte-americana: o médico do exército Desmond T. Doss ( Andrew Garfield) que se recusa a pegar em armas e matar pessoas mas ainda assim parte para a Segunda Guerra Mundial.

A premissa do filme parece ir contra a violência cheia de sangue e tripas mostrada nos longas de Gibson, mas o diretor pareceu mais do que disposto a discutir suas cenas violentas.

“[A ação] quase tem que ser [violenta] — não quero ser insensível sobre isso — mas tem que ser como um evento esportivo. Você deve saber quem é quem, quem são seus protagonistas, quem está fazendo o que, para qual direção da tela tudo está indo. No meio disso, você tem que ter o que parece ser caos. É caos ordenado”, comentou ele.

Justamente por ter essa contradição, ele afirma queHacksaw Ridge não deve ser uma experiência “intelectual”. Pelo contrário: “Estou tentando chegar no seu animal. É isso. Isso é a guerra. Estou entando fazer uma experiência visceral, completamente emotiva e imersiva.”
Estrelado por Andrew Garfield, Vince Vaughn, Sam Worthington e Teresa Palmer, Hacksaw Ridge tem estreia marcada no Brasil para o dia 12 de janeiro. Já o atual filme da Marvel, Doutor Estranho, está em cartaz nos cinemas.

Fonte: Terra
comentários