20/02/2017 (86) 98119-5253

Elói Freire

Como John Montagu entrou para a história da gastronomia jogando cartas e mais.

11/01/2017 - Atualizado em: 11/01/2017, 10:02 Publicado por: Elói Freire

John Montagu era um arístocrata inglês quando isso ainda era o suficiente para render aos portadores de tal título alguma benesse, não precisava trabalhar e poderia se dedicar a seu passatempo favorito: jogar vídeo-games cartas.

E de tão grande era esse hábito que não se poderia perder tempo com coisas menores – ao menos para ele-, como uma boa refeição. Praticidade era necessária, nada de talheres ou comidas complicadas (como escargot) que iriam distraí-lo de seu passatempo.

Hoje temos uma ideia bem clara do que pediríamos nesse caso, “o mesmo que Sandwich” pedia nessa ocasiões. Sandwich? Sim, John Montagu era o 4º Conde de Sandwich, um conjunto de ilhas que hoje incluem o Havaí.

 

John Montagu, 4º Conde de Sandwich

John Montagu, 4º Conde de Sandwich

A propósito, o pedido do conde era bem mais simplório do que vemos hoje nas hamburguerias da cidade, pedaço de peru assado entre duas fatias de pão.

 

Por falar em hamburgueria…

Há uma história que remete à mil anos no passado quando falamos de hambúrguer…

O cavalo fez parte de grande parte da cultura do leste europeu e começo da Ásia, região dos Montes Urais, alega-se até que os centauros (figuras mitológicas metade humanos e metade cavalos) teriam sido inspirados nesses habilidosos cavaleiros. Entre os hábitos deles estavam o de por a carne para consumo sob a sela quando cavalgavam, acabando com as fibras e tornando-a macia, podendo ser consumida crua.

Tal hábito se espalhou e tornou-se comum na Alemanha o consumo de tal prato, conhecido como Hackepeter ou Mett.

hackepeter

Hackepeter com alcaparras.

Com a emigração de europeus para o continente americano entre os séculos XIX e XX alguém resolveu fritar o prato, como os alemães  tinham como ponto de partida o porto de Hamburgo acabou que tal cidade denominou o prato como Hambuguer, e assim completou o que John Montagu havia feito séculos antes e se hoje temos várias opções de sabores e opções para esses pratos sabemos de onde elas vêm.

Segue abaixo uma galeria traduzida de um artigo da revista Esquire sobre os sete hambúrgueres mais caros do mundo.

Tem alguma sugestão de pauta? Quer pedir alguma receita? Entre em contato!

A história não contada do cuscuz

03/01/2017 - Atualizado em: 03/01/2017, 10:04 Publicado por: Elói Freire

Há poucas coisas mais comuns do que acordarmos e logo pela manhã comer uma porção de farinha de milho cozida no vapor com ou sem recheio coberto com um pedaço generoso de manteiga ou margarina acompanhado de café e ovo, também conhecido como cuscuz. É assim como nossos pais faziam, os pais deles antes e por aí segue por infinitas gerações, incontáveis, algo tão natural que parece algo que deve estar por aqui há centenas de anos dessa mesma forma, imutável.

Cuscuz nordestino com manteiga

Cuscuz nordestino com manteiga

Porém as coisas não são assim tão simples.

O couscous é um prato de origem norte-africana, feito com ingredientes que nos são tão familiares quanto um camelo, há referências ao prato desde o século XIII, já sendo citado como “conhecido em todo o mundo”, há referências ao prato na Itália desde o século XVI. Nessa velha tradição sêmola de trigo é amassada a mão e dessa forma posta a cozinhar no vapor, carnes variadas, miúdos ou peixes acompanham tradicionalmente que costuma ser uma refeição completa. Na França o prato é bem comum e chegou a ser considerado o terceiro prato mais comum entre os franceses.

Filé de Pescada Grelhada com Cuscuz Marroquino de Legumes

Filé de Pescada Grelhada com Cuscuz Marroquino de Legumes

Chegando com a colonização pelo litoral acabou se espalhando e adaptando-se com a cultura do milho e arroz, além da versão que estamos acostumado há a versão paulista, que não é feita no vapor, mas um caldo quente com vários temperos como cebola, tomate, azeitonas, sardinhas entre outros, incorpora a farinha de milho aos poucos, até a massa ficar totalmente cozida, sendo depois transferida para uma forma e posteriormente desenformado.

Cuscuz Paulista

Cuscuz Paulista

Hoje encontramos ingredientes para essas versões de cuscuz aqui pela cidade nos supermercados, não sendo difícil fazer uma noite marroquina para receber seus convidados ou se sentir como um bandeirante com sua ração de viagem.

Cuscuz de Cabo Verde
Segue receita de um típico cuscuz marroquino

Ingredientes:

– 1 xícara de cuscuz marroquino;
– 1 tablete de caldo de legumes;
– 1 xíc e meia de água fervente;
– 1/2 berinjela em palitos ou cubos;
– 1/2 cenoura em palitos ou cubos;
– 1/2 abobrinha em palitos ou cubos;
– 1/2 cebola picadinha;
– cheiro verde a gosto;
– 1 colher de sopa de azeite;
– Sal se achar necessário.

Preparação:

PASSO 1:Numa panela ferva a água com o tablete de legumes, mexa com uma colher para dissolver bem, desligue o fogo e acrescente o cuscuz marroquino para hidratar por 5 minutos.

PASSO 2:Solte o cuscuz com um garfo.

PASSO 3:Numa outra panela faça um refogado com o azeite, cebola , os legumes e o cheiro verde.

PASSO 4:Junte o cuscuz ao refogado e está pronto.Acompanha muito bem peixes.

Variações de panetone

18/12/2016 - Atualizado em: 18/12/2016, 11:55 Publicado por: Elói Freire

Natal em poucos dias e não poderia deixar isso passar em branco, além de todo o significado religioso da data um dos fatores mais fortes dessa época é a comida típica, não importa o seu orçamento, a ceia de natal costuma ser uma refeição diferenciada.

Entre as guloseimas típicas dessa época temos o panetone, tradicional pão doce de longa fermentação recheado com frutas secas, mas que com o tempo foi ganhando novos recheios. Entre esses ensino a preparar dois recheios diferentes.

Segue vídeo com os ingredientes e modo de preparo

 

Tive alguns problemas com relação à gravação, mas para a próxima as coisas devem se acertar, acredito que tudo tenha ficado claro, caso não é só perguntar.

Gostou? Comente, deixe o seu like no video e se increva no canal!

Quer ver alguma coisa específica? Entre em contato e iremos fazer!

Obrigado e até a próxima!

Apresentação

16/12/2016 - Atualizado em: 16/12/2016, 15:07 Publicado por: Elói Freire

Seja bem vindo!

Sou Elói Freire, seu anfitrião nesse espaço.

Nesse blog irei passar receitas, sempre indo um pouco além, com indicação de acompanhamento, contexto, alguma história correlata ao prato e outras informações. Você nunca mais verá o cuscuz da mesma forma após ele ser explanado aqui, assim como a feijoada, sushi ou outros pratos, mande para cá sua sugestão do que gostaria de ver a receita, doce, salgado, drinks… Viu uma receita em um filme ou série e não sabe preparar? Uma Ratatouille? Um Crème Brûlée? Uma Guacamole ou Soba? Só peça e providenciaremos!

Falando um pouco sobre mim, sou gastrônomo formado pela faculdade NOVAFAPI, mas meu interesse pela cozinha vem de muito antes, quando meus amigos eram cobaias, nem sempre com muito sucesso (mas todos sobreviveram e passam bem, aparentemente). Após isso também cursei um mestrado em Turismo e Hotelaria pela UNIVALI em Balneário Camboriú -SC.

Ano passado ao retornar de Santa Catarina desenvolvi com um amigo um estudo de mercado, desse estudo, junto com o que aprendi ao longo de outras coisas que aprendi nasceu o projeto do Tijuana – Burguer & Texmex, por esse motivo não irei fazer nenhum tipo de avaliação de restaurantes da cidade.

Por último, mas não menos importante, deixo aqui alguns agradecimentos: ao Allisson Paixão pela oportunidade, ao  André Guimarães por ser sempre prestativo, ao Alexandre Reis por me ajudar com relação a foto que ilustra esse Blog e a todos os familiares, amigos, chefes e colegas de trabalho me ensinaram boa parte do que sei.

Sente-se e desfrute do que há de vir.

pesquisar no blog